A Estrada da Noite

by - 18 janeiro

Há muito tempo atrás, quando os dinossauros dominavam a terra e a escrita era apenas um jovem recém inventada eu comprei um livro, em poucos dias o li por completo e hoje venho o indicar para quem gosta de uma leitura nas horas vagas. Um ex-vocalista de rock aposentado que coleciona objetos estranhos, para não dizer macabros, o paletó de um morto comprado em um anúncio que dizia a seguinte frase "Vou ´vender´ o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto..." e muita história pra ler, é assim que começa o livro "A Estrada da Noite" de Joe Hill.




A Estrada da Noite é um livro de suspense escrito pelo americano Joe Hill, ao lermos esse nome não nos vem nada na mente, é justamente essa a intenção, pois Joe Hill é o pseudônimo de Joseph Hillstrom King, se o nome ainda não lhe parece familiar vou dar mais uma dica e bem direta: Stephen King, lembrou? Se não lhe vem nada em mente, por favor, ao menos procure no Google, porém, se de imediato o nome trouxe um arrepio, você está na direção certa, Joseph Hill é filho de Stephen King, um dos maiores escritores de terror dos últimos tempos, e é por isso que ele usa o pseudônimo, para não deixar os negócios do pai interferirem. Pois bem, depois de apresentado o autor, vamos ao que interessa, a Estrada.





Neste livro Judas Coyne, rockeiro aposentado pra lá dos seus 50 anos, é o protagonísta, como falado, ele coleciona objetos bizarros como um livro de receitas canibais, uma fita com o vídeo de um assassinato real e coisas legais como essas, ele ao ver o anúncio "Vou ´vender´ o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto..." não pensa duas vezes e vai atrás, compra então o fantasma, não o fantasma, mas um paletó que havia sido do padrasto da vendedora e que supostamente era assombrado, ele recebe o paletó em uma caixa em formato de coração (o que dá nome ao livro em sua versão em inglês " Heart Shaped Box, como é bom relembrar Nirvana) e logo coisas estranhas acontecem, batidas de coração começam a vir da caixa, sonhos estranhos e por ultimo o capeta, digo o fantasma, Craddock McDermott, que passa a perseguí-lo, a partir daí Judas descobre que Craddock não é apenas um fantasma qualquer, mas o padrasto de uma de suas fãs que Judas havia namorado e a abandonado e que logo após cometeu suicídio, é aí que começa o terror, Craddock havia sido hipnólogo e mesmo agora morto podia controlar a mente das pessoa, incitando assim Judas e qualquer pessoa que dele se aproxime a se matar, só conseguindo se livrar do controle quem, com muito esforço, acordasse do transe.Judas descobre que a vendedora do fantasma na verdade tinha sido irmã dessa ex-namorada de Judas e agora queria se vingar dele pelo suicídio da irmã. Mas tudo isso não acaba aí, se acham que acabei contando todo o livro, amigos, saibam que não contei nem metade da verdade, após várias descobertas Judas Coyne fica sabendo que a história não é bem o que lhe parece e assim ficamos maravilhados com o decorrer da narrativa. Querendo saber como tudo termina? Como sempre não vou estragar a diversão de quem pretende ler, mas fica a indicação, leiam, pois se trata de uma verdadeira obra de ficção.
Se curtirem o livro e quiserem mais, podem procurar "Fantasmas do séc. XX" e "O Pacto", ambos do mesmo autor e esse último ainda em leitura por mim. Então é isso.
Até mais, soldados, vida longa e próspera.




Você também poderá gostar

2 comentários

Instagram